Do Pensi para Israel: Daniel conta o seu objetivo fora do país

Recebemos, neste início de julho, na unidade Tijuca II, uma visita especial do Daniel Suzuki, ex-aluno da unidade Icaraí I. Preparando-se para estudar na Universidade de Tel Aviv, em Israel, Daniel aproveitou para contar sobre como foi esse processo.

Por ter estudado nas turmas IME/ITA, considerou as aulas como essenciais na sua preparação, tanto para realização das provas que precisou fazer quanto para aprender a encarar novos desafios. Além disso, ressaltou o papel da escola e dos funcionários nessa etapa, sempre incentivando e dando recomendações para o aluno seguir com seu sonho!

Em agosto, ele inicia essa nova jornada, e torcemos sempre para o seu sucesso. Boa sorte, Daniel!

Quando escutamos histórias de alunos que decidiram fazer faculdade no exterior, normalmente, ou vão para a Europa ou para os EUA. O que te fez escolher ir para Israel?

A gente pensa normalmente nos EUA, eu também pensei na época, e, no meu terceiro ano, queria ir para lá, estava procurando algumas universidades. Ao longo do processo, eu tive um mentor da Fundação Estudar e acabei conhecendo a Universidade de Tel Aviv, que fica em Israel.

Eu sempre gostei muito de Empreendedorismo e dessa área de Engenharia e acabei juntando estas duas paixões, né? Tanto Empreendedorismo quanto Engenharia, e o lugar que me veio à cabeça quando eu pensava nestas duas coisas era Israel. A universidade de Tel Aviv une justamente essas duas coisas.

Como você conheceu a Universidade de Tel Aviv?

Estava procurando na Internet por universidades, era a etapa bem inicial de pesquisa, e vi um artigo sobre a universidade. Decidi pesquisar um pouco mais e, logo que fui descobrindo algumas características das universidades, fui sabendo que era uma escolha certa. Tel Aviv é uma cidade que tem 1900 habitantes por startups, é um índice muito alto, algo que me chamou muito a atenção.

Você já foi para Israel? [vai em agosto] Quais são suas expectativas para conhecer uma cultura totalmente diferente? 

Sempre gostei de encarar novos desafios, então esse vai ser só mais um. Para quem fez turma IME/ITA, isso vai ser tranquilo (risos).

O que tinha no Pensi, quando você estudava, que te incentivou a buscar oportunidades que não são comuns?

Queria uma escola que me desse esta liberdade de me preparar para uma universidade aqui no Brasil, mas também queria me preparar para as de fora do país. E foi justamente o Pensi que me deu esta liberdade.

Quão importante foi o papel do Pensi para sua decisão? Como foi o apoio da escola?

O Pensi foi a escola que mais me ajudou nesse processo. Desde os professores aos coordenadores, foram pessoas que me incentivaram muito. Então, às vezes, eu sentia que não era possível e sempre tinha um professor do meu lado me ajudando, dando recomendação. Foi muito importante para mim!

O que você aprendeu no Pensi que vai te ajudar nessa nova fase da vida?

Para quem estudou em turma IME/ITA, todo dia, você tem um desafio diferente. Então, superar desafios é a maior coisa que eu vou levar para Israel.

Qual seu conselho para quem pensa em fazer uma faculdade no exterior?

Para quem quer fazer uma universidade não trivial, é importante acreditar que aquilo é possível! Você precisa acreditar que aquilo é possível e ter pessoas do seu lado, como os professores do Pensi, para te motivar, é muito importante! E tem a preparação também. Por estar na turma IME/ITA, consegui tirar de letra todas as provas que eu tinha que fazer lá para fora.

Escrito por:
Luiza Radspieler


Posts relacionados: